Adoçamos

os seus dias

a paixão pela pastelaria

A nossa história

A Bolos do Folheta nasceu em 2015, mas o caminho de Tiago começou muito antes, aos 15 anos, quando começou a trabalhar numa pastelaria durante as férias de verão.

A paixão pela pastelaria nasceu cedo. Com 12 anos, pela altura do Natal, já fazia os bolos para a família. Em 2013, decidiu perseguir o seu sonho e partiu de mochila às costas para o Canadá. “Assim mesmo na aventura sem conhecer nada. Procurei trabalho porta a porta, pastelaria a pastelaria. Encontrei ao fim de dois dias, mas numa padaria que não era uma área que gostava tanto”, recorda Tiago.

(https://incorporatemagazine.com/)

Tiago Ferreira

A ideia do nome

"Quando comecei a fazer os bolos andava a pensar no nome que deveria dar ao meu conceito, para o associar à minha marca. Em conversa com o meu grupo de amigos eles começaram a chamar-me de folheta por eu ser magro e eu questionei-me se folheta seria um bom nome. Todos acharam graça à questão, mas a verdade é que fica no ouvido e as pessoas, hoje em dia, é por esse nome que me conhecem." (https://revistabusinessportugal.pt/)

Criatividade

Olhando para a pastelaria como um processo criativo em contínua expansão, Tiago nunca deixa de inventar novas doçarias. Este ano para o Natal deixa a sugestão do bolo rei de Nutella com a massa tradicional do bolo recheada com o creme de chocolate e avelã. Para os que são menos adeptos de chocolate, fica a sugestão do bolo rei de maçã e canela, feito com massa folhada. Apesar do nome da casa, também há lugar para quem não gosta de bolos. “No início tínhamos apenas bolos, mas temos que ir ao encontro do cliente”, explica Tiago. Assim, hoje também pode pedir pequenos snacks como torradas, tosta mista e tosta de bacon com ovos. Domingo à tarde em família ou durante a semana para quebrar a rotina, vá até à Póvoa do Varzim e delicie-se com os bolos do Folheta. (https://incorporatemagazine.com/)

O segredo e a diferença é usarmos produtos de grande qualidade tradicional e ainda conseguirmos inovar. A junção das duas é o que dá a qualidade final.

Tiago Ferreira, pasteleiro e CEO Bolos do Folheta